quarta-feira, dezembro 30, 2009

Sobre um destino



Aqueles olhos...
Quando ela fitou aqueles olhos então ela percebeu, era mesmo ele, o espelho que refletia a sua alma, a tela onde ela podia ver todos os seus desejos.
Aquele sorriso...
Depois de tanto tempo ele ainda mexia tanto com ela, ainda conseguia deixá-la com aquele mesmo sorriso bobo de três anos antes.
Aquelas palavras...
Se repetiam, as mesmas palavras, que ela sonhou tantas vezes e que ela jurou nunca mais poder ouvir, estavam ali, novamente, soando em seus ouvidos.

Não tinha jeito, o destino os escolhera, e ela estava presa àqueles olhos. Porque eram ela e ele, ali.
Era ele o sorriso dela. E era ela nos olhos dele...



***
"São seus olhos a luz de mil estrelas
são seus olhos..."

*** Sandy e Junior

segunda-feira, dezembro 28, 2009

Enquanto seu lobo não vem




"Não subestime os outros, nem os idolatre demais.
Seja educada, mas não certinha.
Não minta, nem conte toda a verdade.
Dance sozinha quando ninguém estiver olhando.
Divirta-se enquanto seu lobo não vem."

***Martha Medeiros

quarta-feira, dezembro 23, 2009

Sobre uma canção

"Quero fazer uma canção mais delicada, sem criticar, sem agredir, sem dar pancada,
Mas não consigo concordar com esse sistema
E quero abrir sua cabeça pro meu tema..."


A canção que eu queria ter escrito!
Aos meus heróis







"Me esqueci que devo achar uma saída
E usar palavras pra mudar a sua vida.
Os meus heróis estão calados nessa hora,
Pois já fizeram e escreveram a sua história
Devagarinho vou achando meu espaço
E não me esqueço das riquezas do passado..."

Julinho Marassi e Gutemberg

terça-feira, dezembro 22, 2009

Superação!

É quase um grito de liberdade, ou de socorro, ou as duas coisas. Coragem pra jogar as coisas velhas no mar do esquecimento e resistir ao impulso de mergulhar e pegar tudo de volta. Talvez o ponto seja esse mesmo - super ação. Recomeçar. Difícil... E é exatamente o que eu estou precisando e tentando fazer. Superagir.





"Vai valer a pena ter amanhecido,
ter me machucado,
ter sobrevivido.
Vai valer a pena já ter te esquecido.
Começar de novo..."
*** Ivan Lins

♪♪ la la la... ♫

sábado, dezembro 19, 2009

Comece!


"Tente o novo todo dia. O novo lado, o novo método, o novo sabor, o novo jeito, o novo prazer, o novo amor. A nova vida. Tente. Busque novos amigos. Tente novos amores. Faça novas relações."

*** Clarice Lispector

Eu já comecei...

Yes, I can.

quarta-feira, dezembro 09, 2009



A peça que falta.



*
*
*



"Um belo dia resolvi mudar
e fazer tudo que eu queria fazer...
...agora só falta você!"

*** Rita Lee

terça-feira, dezembro 08, 2009

Sobre o que eu lembro


Eu lembro de tudo, tudo mesmo. Todas as brincadeiras, todas as nossas gracinhas, todo o jeitinho de falar ao telefone, de toda vez que você me olhava, de todos os sorrisos, meus e seus, de todo nosso tudo. Mas o tudo foi ficando tão sério, tão, tão... Que hoje o unico jeito que eu te enxergo é assim, sério. E eu não consigo mais não te levar a sério, como antes, mas ainda assim ainda não consigo não te levar.

Mesmo que seja apenas na memória...



***


"Dos nossos planos é que tenho mais saudade
Quando andávamos juntos na mesma direção
Aonde está você agora, além de aqui
dentro de mim?"

*** Legião Urbana

quarta-feira, dezembro 02, 2009





Pensamentos.Poucos.Soltos.Loucos.Confusos.Estranhos.Parados.
Des-co-nexos.

Tentativa.Frustrada.Errada.Impensada.Desajeitada.Mal acabada.
Bebida.Café.Energético.Coca Cola.Mate.Chá de cogumelo.Nada. Pensei.Tentei.Errei.Apaguei.De novo.Pensei.Escrevi.Falhei.Rasguei. Pensei.Pensei.Pensei.Desisti.

É, acho que falta inspiração.




*
*
*




"Nada tenho vez em quando tudo
Tudo quero mais ou menos quanto

Vida vida, noves fora, zero

Quero viver, quero ouvir, quero ver"

*** Zeca Baleiro

quarta-feira, novembro 25, 2009

controvérsia emocional





Então ela explodiu:
- Porquê? Você me pergunta porque?
- ...
- Porque eu parei a minha vida, porque eu deixei de me envolver com outras pessoas, na esperança de você chegar. Cada dia que passava eu pensava ser o dia de te ver e, cada vez que eu te via, eu pensava que fosse ser pra sempre. Porque? Porque eu fui ombro pra você por todo esse tempo e você nem percebeu.
- ...
- Sabe que as pessoas dizem que o tempo cura tudo? Cura nada! O tempo só tira o foco por um instante, até tudo desmoronar de novo. E você ainda vem me perguntar porque eu estou brava com você?
- Ei, menina...
- Hum.
- Tó aqui uma flor que eu te trouxe.
- ...
- Tudo bem, já vou indo então.

Então a menina pega a florzinha no chão e vai por bem guardadinha na sua caixinha de lembranças.

Como são bobas essas meninas...






"Veja, a qualidade está inferior
mas não é a quantidade que faz a estrutura de um grande amor
Simplismente seja o que julgar ser o melhor
mas lembre-se que tudo que começa com muito
pode acabar muito pior..."

*** Maria Rita

terça-feira, novembro 24, 2009

Mariana é tão legal, sempre sorrindo. É levada na conversa, é passada para trás, sempre sorrindo. Mariana é tão divertida, sempre sorrindo. Colocada em segundo plano, deixada na reserva, sempre sorrindo. Mariana é tão idiota, sempre sorrindo. Compreende os imprestáveis, socorre quem não merece, sempre sorrindo. Mariana é tão solitária, sempre sorrindo. Sai sozinha com os amigos, sai sozinha com ninguém, sempre sorrindo. Mariana está caindo, sempre sorrindo. Chora a noite no quarto e acorda pra enfrentar mais um dia, sempre sorrindo.

Sorriso amargo esse...



***



"Não estou bem certo se ainda vou sorrir
sem um traço de amargura.
Como ser mais livre, como ser capaz
de enfrentar um novo dia?"

*** Adair Cardoso

quinta-feira, novembro 19, 2009

Sobre o menino dos sonhos

Era uma vez um menino de cabelo de sol e olhos de céu, ele morava nos pensamentos de Sophia desde quando ela começara a sonhar. Quando ela era bem pequenininha esse menino andava sempre com ela, por onde ela fosse. Ele a acompanhava nos dias de sol, de chuva, na escola e até nas viagens. E toda vez que alguma lágrima teimava em fugir de dentro dos olhinhos dela ele estava lá, para apará-la e impedir que outras fujonas escapassem. E ela pensava que ele devia ser o seu anjo, ele só podia ser um anjo da guarda! Ou talvez ele fosse aquele príncipe pequeno escrito especialmente para ela. E era sempre assim, ela acordava e o menino anjo com ela, saía de casa e lá ia o principezinho junto.
Então, como sempre acontece, a gente cresce. Assim foi, Sophia cresceu e o menino-principe foi ficando cada vez mais distante, até que um dia ela acordou e ele não veio, simplesmente. Acho que ele deve ser meio Peter Pan, que não gosta de gente grande, ou talvez tenha ficado perdido no planeta dos sonhos.
Aí ela foi cuidar de ser grande, cuidar das letras, dos numeros e deixou de pensar em cobras engolidoras de elefantes. Mas por Deus! Ninguém consegue ser grande todo o tempo, felizmente. Ela cansou, queria voltar, mas não sabia como. Aí as lágrimas escaparam aos montes e, sem ter ninguém para apará-las, fugiram todas, teimosas demais.
Foi então que, em uma noite dessas Sophia adormeceu um sono, que de tão leve fez os seus pensamentos voarem, de volta ao planeta dos sonhos...

E o menino-principe de cabelos de sol e olhos de céu ainda esperava lá...



"Mas tu tens cabelos dourados.
Então será maravilhoso quando me tiveres cativado.
O trigo, que é dourado, fará com que eu me lembre de ti.
E eu amarei o barulho do vento no trigo…


*** Saint Exupéry

terça-feira, novembro 17, 2009



Ainda encontro a fórmula do amor...

*
*
*

segunda-feira, novembro 16, 2009

Borboleteando...



*
*
*






*
*
*






*
*
*




"Tudo o que chega, chega sempre por alguma razão..."

Fernando Pessoa ***

quinta-feira, novembro 12, 2009


Sim! Eu vivo à moda antiga... E prefiro, prefiro mesmo. Eu gosto de coisa velha, de música velha, passear de mãos dadas, namorar em casa e escrever cartas. É tão mais real, mais palpável. O que não quer dizer que eu não tire proveito das facilidades da tecnologia, tão necessária para sobreviver nesse mundo corrido. Mas quem nunca sentiu falta de acordar mais tarde, tomar café da manhã com calma, passear de bicicleta sem correr o risco de ser atropelada, ler um livro embaixo de uma árvore tomando uma boa xicara de café? Sem hora pra acabar, sem pressa de voltar...

Yeah, I'm old!!!

segunda-feira, novembro 09, 2009

Sobre uma confissão



Vou começar dizendo a verdade, é o que se faz em uma confissão, não é? Pelo menos costumava ser... Então tá. A verdade mesmo é que nenhum olhar ‘quarenta e três’ me conquista de fato, pode até causar um interesse momentâneo, mas não é o bastante. Também não estou muito interessada em rostos bonitos e tal, é claro que colírio não faz mal a ninguém, mas acho que dá muito trabalho. A verdade, a verdade mesmo é que eu sou levada na conversa, LITERALMENTE, as pessoas me levam no papo.


Uma boa conversa, eu acho que é o principal. Sabe quando a pessoa fala e você sente que ela compartilha dos mesmos sonhos, das mesmas vontades que você, e você vê que ela tem defeitos também, mas que não está tentando ser perfeito pra te agradar e nem está tentando ser o que ela não é? Então... Aí sim, começam os olhares disfarçados, o toque de leve. Pra conquistar é preciso muito mais do que soltar um “e aí gatinha?", é muito mais do que pedir o endereço eletrônico, o email, o número de telefone, ou seja lá o que for. E é muito, mas muito mais do que fazer uma declaração pública a alguém que você conheceu ontem!


Conquista é telefone, casa, cinema, pracinha e a lanchonete da esquina; é querer saber do outro e deixar que o outro saiba de você, mas sem essa de querer entrar de vez, e de uma hora pra outra tomar conta da vida – alheia. Eu não suporto esses relacionamentos, do tipo instantâneo. Talvez eu seja de uma espécie muito antiga de gente, quase extinta; daquela que ainda espera um telefonema, ou um carinho escondido. Talvez eu não tenha me adaptado à era do “eu quero agora”, sei lá, mas eu ainda prefiro assim, de verdade, estar sozinha, não, estar desacompanhada, mas feliz e não ficar por aí, me matando, me forçando a gostar de alguém que não me interessa, só pra agradar as pessoas. Não dá pra ser meio feliz, e nem amar pela metade, eu quero o completo, o todo...


Não era assim que costumava ser?





"Confessar sem medo de mentir

Que em voce

Encontrei inspiração

Para escrever..."


*** Roupa Nova

sexta-feira, novembro 06, 2009




***





Neverland...



Disseram uma vez que bom mesmo é ser criança,

pois joelhos ralados se curam mais rápido que corações partidos

Eles acertaram...



"Meu Deus


segura minha mão


me cura de ser gente grande..."


quarta-feira, novembro 04, 2009


Eu queria chorar um rio inteiro

pra levar embora do meu peito essa dor

mas é uma dor tão antiga

que as minhas lágrimas nem se manifestam mais...


sábado, outubro 31, 2009




"só você me faz sentir,

cabeça nas nuvens e os pés no chão

Eu te dei meu coração..."

Pimentas ***



sexta-feira, outubro 30, 2009


Cabecinha de vento.






"... Então a raposa apareceu.
- Bom dia, disse a raposa.
- Bom dia, o Pequeno Príncipe respondeu educadamente. Quem é você? Você é tão bonita de se olhar.
- Eu sou uma raposa, disse a raposa.
- Venha brincar comigo, propôs o Pequeno Príncipe. Eu estou tão triste.
- Eu não posso brincar com você, a raposa disse. Eu não estou cativada.
- O que significa isso - cativar?
- É uma coisa que as pessoas freqüentemente negligenciam, disse a raposa. Significa estabelecer laços.
- Sim, disse a raposa. Para mim você é apenas um menininho e eu não tenho necessidade de você. E você por sua vez, não tem nenhuma necessidade de mim. Para você eu não sou nada mais do que uma raposa, mas se você me cativar então nós precisaremos um do outro.

A raposa olhou fixamente para o Pequeno Príncipe durante muito tempo e disse:
- Por favor cativa-me.
- O que eu devo fazer para cativar você?, perguntou o Pequeno Príncipe.
- Você deve ser muito paciente, disse a raposa. Primeiro você vai sentar a uma pequena distância de mim e não vai dizer nada. Palavras são as fontes de desentendimento. Mas você se sentará um pouco mais perto de mim todo dia.

No dia seguinte o principezinho voltou.
- Teria sido melhor voltares à mesma hora, disse a raposa. Se tu vens por exemplo, às quatro da tarde, desde as três eu começarei a ser feliz. Quanto mais a hora for chegando, mais me sentirei feliz. Às quatro horas, então, estarei inquieta e agitada: descobrirei o preço da felicidade! Mas se tu vens por exemplo a qualquer momento, nunca saberei a hora de preparar o coração... É preciso ritos.

Então o Pequeno Príncipe cativou a raposa e depois chegou a hora da partida dele.
- Oh!, disse a raposa. Eu vou chorar.
- A culpa é sua, disse o Pequeno Príncipe, mas você mesma quis que eu a cativasse.
- Adeus, disse o Pequeno Príncipe.
- Adeus, disse a raposa. E agora eu vou contar a você um segredo: nós só podemos ver perfeitamente com o coração; o que é essencial é invisível aos olhos. Os homens têm esquecido esta verdade. Mas você não deve esquecê-la. Você se torna eternamente responsável por aquilo que cativa."


(Saint-Exupéry) ***

quinta-feira, outubro 29, 2009

Sobre o fim do inverno




Era uma vez uma menina...

Ela não sabia bem se eram os ares do fim de agosto, mas aquele inverno já tinha mesmo o sabor da primavera. Talvez fossem as mãos dadas, os passeios diários, a praça, o futebol ou o videogame, no entanto, para ela, era só o perfume que ficava na brisa de cada palavra soprada por ele, isso bastava. E ele era a própria primavera, era o vento, a rosa, o vinho e o sol, tudo ao mesmo tempo.
Mas como em todo bom agosto, ou mau agosto-mau agouro, o coração da menina não passaria impunemente. A brisa veio, passou como um furacão e foi buscar outro jardim pra soprar suas palavras perfumadas. E ela ficou com o coração no escuro, no frio do final de um inverno que não teria fim tão logo.
Então ela se acostumou a enxergar sem o sol que lhe fora tirado e aprendeu a aceitar o que viesse, mesmo que fosse apenas um tantinho. Vieram tantos verões e tantas primaveras invernadas que ela já não se importava. E ele continuava a soprar perfumes por jardins que não lhe pertenciam, ele nem ao menos sabia da escuridão que a menina vivia, nem poderia...
E foi no fim de outubro, no meio de uma daquelas primaveras geladas que ela sentiu aquela brisa novamente, aquele mesmo perfume... É ele! Ele, que vem e promete o calor pra acabar com o inverno instalado no seu coração; ela aceita de bom grado, mas e se esse for um trato tardio, talvez não seja, quem sabe? Porque ele desaprendeu a ser vento, rosa, vinho e sol, e ela já não sabe se ainda pode se aquecer.

Então a menina espera pelo verão...





"Moço, maltratar não é direito
Essa mágoa no meu peito
Você sabe de onde vem
Isso é desamor
E não tem jeito
Um amor quando desfeito
Sempre faz alguém chorar
Eu chorei saudade
Tá doendo
E lá vem você querendo
Outra vez me maltratar..."

Maria Rita

quarta-feira, outubro 28, 2009



Eu hoje acordei triste, - há certos dias

em que sinto essa mesma sensação

E não sei explicar qual razão,

porque as mãos com que esrevo estão tão frias...

JG de Araujo Jorge



segunda-feira, outubro 26, 2009

Sobre o combinado


É engraçado isso de combinar as coisas; combinar de sair, viajar, trabalhar, estudar e por aí vai... Porque a gente tem a impressão (ou falsa impressão) de que se combinar vai ser melhor ou mais organizado. Mas o engraçado é que na maioria das vezes o combinado não dá muito certo, não sai como combinado ou simplismente não sai. Por isso que o que acontece espontaneamente é tão melhor, pelo menos eu acho né, porque as melhores coisas geralmente acontecem quando a gente não está esperando, tudo bem, as piores também. Mas pelo menos com o inesperado podem vir surpresas boas e a gente não corre o risco de se frustrar por planejar em vão...





"Eu despertei com um choque

quando
você pegou minha mão te percebi

com outros olhos então..."

Pimentas

quinta-feira, outubro 22, 2009

Sobre o que eu queria escrever


Passei a manhã inteira pensando no que escrever. Pensando na vida, nas escolhas que a gente faz, o que eu estou sentindo, o que estou pensando e não vinha nada, vazio total...
Então eu me deparei com essa imagem, tão linda que chega a ser surreal. Parece que é um novo fenômeno que a Nasa ou sei lá quem descobriu, mas é tão bonito que eu não me dei ao trabalho de procurar saber o que é...

Aí eu parei pra pensar que a gente passa tanto tempo pensando e tentando resolver problemas que acaba esquecendo que ainda existe muita coisa boa por aí. É trabalho - problema, faculdade - problema, dinheiro - problema, namoro - problema, família - problema, enfim, são tantos problemas atropelando o que é bonito e sufocando os nossos sonhos.
Pois bem, pra sair um pouco dessa de problema, resolvi deixar essa imagem pra exaltar o que é belo nessa vida. Ah! Também decidi transformar meu 'bad day' de ontem em um super 'happy day' hoje! Eu não lembro onde foi que eu li que alguém escreveu em algum lugar que a gente é quem escolhe se o dia vai ser bom ou ruim. Então vai ser assim daqui pra frente, todo dia uma escolha, um de cada vez...

***

Mas não se desapontem nem me culpem se uma vez ou outra o dia for nublado...

***

"Não é a vida como está e sim as coisas como são..."

Legião Urbana


Happy Day pra vocês!!!

terça-feira, outubro 20, 2009

Sobre o que deve ser


Sinto muito, se é assim que tem que ser. Se, no fim das contas, eu não nasci pra você

eu juro, eu deixo assim ficar.

Mas é que eu pertenço a você, sempre foi assim.

Há algum tempo eu te dei meu coração e não me lembrei de pegá-lo de volta,

o que sobrou dele.

Nem o quero e, embora, há tempos ele esteja largado num cantinho de ti,

é assim que vai estar mesmo, empoeirado.

Então não volte, não prometa, não revolte esse meu coração – teu.




"Flores crescem no asfalto, debaixo dos meus pés

Deixo o dia para trás

Sono e sonho a noite me traz

Deixo o dia para trás

E a dor"

Zeca Baleiro

Karol Duarte